[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
futebol
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes
ufc

Profissionais que atuaram na linha de frente contra Covid-19 reivindicam salários atrasados

Aproximadamente 220 profissionais que atuaram no tratamento da Covid-19 no Hospital Regional de Castanhal, nordeste do Pará, reclamam da demora para receber salários atrasados referente aos últimos dois meses. A unidade passou por demissão em massa, após queda de casos da doença na região, segundo os funcionários.

Inaugurado no dia 3 de junho para atender exclusivamente pacientes com Covid-19, o hospital está sendo desativado pela Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa), devido à mudança da bandeira de risco em relação ao novo coronavírus, e deve passar por processo de desinfecção.

Um dos funcionários desligados, que preferiu não ser identificado, afirmou que o comunicado de dispensa foi assinado no último sábado (17) e que a previsão do pagamento seria na sexta (23), mas os trabalhadores foram até o departamento de recursos humanos e nada foi resolvido. Eles dizem que só devem assinar a rescisão contratual quando os salários atrasados forem pagos pela Sespa.

Profissionais que atuam no tratamento da Covid-19 reivindicam salários atrasados em Castanhal, no Pará — Foto: Arquivo Pessoal/Funcionários

"É uma sensação de desrespeito e total falta de caráter da entidade superior", relata.

"Estávamos na linha de frente sempre, inclusive muitos profissionais adquiriram Covid-19 na assistência aos pacientes. Fomos totalmente expostos para agora sermos descartados e desprezados como lixo. É muito revoltante! Só queremos salvar vidas. Nós salvamos muitas vidas. E em questão de dias estávamos todos no meio da rua", afirma o profissional.

Entre os trabalhadores desligados estão enfermeiros, médicos, equipe de higienização, copa, maqueiros, diretoria, gerência assistencial. O grupo afirma que muitos não têm condições de ser transferidos para outro município.

Em nota divulgada na última quinta (15), a Sespa disse que serão lançados editais de contratação de Organização Social para gerir as unidades hospitalares dentro do perfil de atendimento necessário para a região de Castanhal.

Sobre os pagamentos atrasados, a Sespa disse neste sábado que "está aguardando a Organização Social responsável dar entrada nos documentos pendentes para então realizar o repasse da verba".

O G1 solicitou posicionamento do Instituto Nacional de Assistência Integral (INAI), responsável pela administração da unidade, mas ainda aguardava retorno até a última atualização da reportagem.


G1 Pará


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search