[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

Caso Davi Amaral: Assassino confesso vai a júri popular em Santarém

O caso Davi Amaral, jovem de 18 anos que morreu depois de ser espancado a pauladas em fevereiro de 2019, teve mais um desdobramento judicial. O assassino confesso vai a júri popular por decisão do juiz Gabriel Veloso, titular da 3ª Vara Criminal de Santarém, no oeste do Pará. A decisão de pronúncia foi proferida na quinta-feira (3).

Depois de duas tentativas em ouvir testemunhas e Arisson Sá Pedroso em audiência de instrução e julgamento, o juiz interrogou as partes no dia 21 de agosto de 2019. Nas alegações finais, o Ministério Público requereu a pronúncia do réu.

Arisson Sá Pedroso foi preso no dia 20 de fevereiro de 2019 — Foto: Sílvia Vieira/G1. 
Conforme o magistrado, a materialidade do caso foi devidamente comprovada através de laudo necroscópico da vítima, e em relação aos indícios de autoria, o juiz destacou que Arisson confessou ter desferido os golpes contra Davi "para se defender". Embasaram a decisão ainda os relatos de testemunhas. O réu vai responder, principalmente, por homicídio qualificado e furto.

Conforme uma das pessoas ouvidas, os dois passaram cerca de 20 minutos dentro do terreno baldio no bairro Livramento, e que apenas Arisson saiu do local. Essa mesma pessoa teria encontrado o jovem desacordado, sem roupa da cintura para baixo. "Estava muito machucado e seu rosto deformado", disse.

Prisão preventiva

Outra decisão do juiz em relação ao caso Davi Amaral é a manutenção da prisão preventiva de Arisson, que está preso desde 20 de fevereiro
"Nesta oportunidade, considerando que o réu está respondendo este processo preso, mantenho, até o momento, a prisão preventiva pelos mesmos fundamentos, assim negando-lhe o direito de recorrer desta decisão em liberdade", disse o juiz Gabriel Veloso.
Revelações do assassino confesso

Durante o interrogatório, Arisson Sá Pedroso narrou ao juiz como os fatos teriam acontecido naquela madrugada, resultado no espancamento da vítima e posterior morte de Davi.

O jovem disse que estava no mesmo bar que Davi e uma outra pessoa. Arisson teria convidado Davi para ir beber em outro bar, logo após a terceira pessoa ter ido para casa. A vítima esperou Arisson em uma esquina e no momento que estavam indo para o outro bar, o réu disse que queria ir ao banheiro. Então, entrou no terreno baldio e fez suas necessidades.

Davi Silva foi vítima de espancamento no bairro Livramento, em Santarém — Foto: Reprodução/Facebook
Davi Silva foi vítima de espancamento no bairro Livramento, em Santarém — Foto: Reprodução/Facebook
Neste momento, segundo o réu, Davi teria se aproximado e pegado nas partes íntimas do agressor, que não tinha gostado da atitude afirmando que tinha feito o convite apenas para beber.
"Davi puxou sua bermuda forte tendo rasgado o fecho da mesma. O réu empurrou Davi e este veio para cima do interrogado, que entraram em uma briga corporal, que puxou o pau da cerca e deu duas pancadas na cabeça de Davi", diz o trecho do interrogatório de Arisson.
Em seguida, o agressor pegou a bermuda e o celular da vítima, vendendo o aparelho por R$ 300. Ao juiz, Arisson disse que não matou Davi Amaral pelo fato dele ser homossexual e que a motivação do crime seria porque Davi partiu para cima, sendo que ambos não tinham combinado nada no terreno baldio.

O caso Davi Amaral

Davi da Silva Amaral tinha 18 anos, e foi encontrado desacordado na manhã do dia 14 de fevereiro, em um terreno baldio no cruzamento das avenidas São Nicolau e São Paulo, no bairro Livramento, em Santarém.

Terreno baldio onde Davi Amaral foi encontrado desacordado por moradores das proximidades — Foto: Jaderson Moreira/Tv Tapajós
Terreno baldio onde Davi Amaral foi encontrado desacordado por moradores das proximidades — Foto: Jaderson Moreira/Tv Tapajós
O jovem estava apenas de camisa, despido da cintura para baixo. Ele foi socorrido pelo Samu e levado para o hospital municipal, onde permaneceu internado até o dia 17 de fevereiro, quando foi declarada a morte cerebral.

Um inquérito foi aberto para investigar o caso. E no dia 20 de fevereiro, o principal suspeito, Arisson Sá Pedroso, de 24 anos, se apresentou na Seccional de Polícia Civil, onde confessou ser o autor do espancamento que provocou a morte do jovem.


G1 Santarém

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search