[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

Equipe multiprofissional do HRT recebe treinamento prático sobre rotina avançada e sistematização da UTI e Centro Cirúrgico


Com objetivo de promover o aprimoramento da assistência da equipe multiprofissional do Hospital Regional do Tapajós (HRT), na manhã desta terça-feira, (18) foi realizado um treinamento prático sobre a rotina avançada e a sistematização da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Centro Cirúrgico.

Equipe Recebendo treinamento prático. Foto: Ascom/HRT

O treinamento foi organizado pela supervisora de fisioterapia da UTI 1, Djúlia Sena, e ministrado pelas equipes de engenharia clínica, nutricionistas e pelo coordenador do Centro Cirúrgico,  Herickson Lee, enfermeiro pós-graduado pelo Hospital Albert Einstein.

Equipe Recebendo treinamento prático. Foto: Ascom/HRT

Segundo Herickson, em um Centro Cirúrgico e também em uma UTI a presença de uma equipe multiprofissional é fundamental. “Ninguém trabalha só, todo mundo deve se interligar para que a execução de um trabalho em equipe aconteça”, disse.

Ainda de acordo com o enfermeiro, é de suma importância que exista o espírito de equipe, o respeito mútuo entre os integrantes que vão desempenhar harmonicamente o seu papel em sua área de responsabilidade, através da união de conhecimentos, habilidades e experiências em uma rotina de diferentes setores.

O treinamento também teve como objetivo a discussão das principais dúvidas, problemas e dificuldades das rotinas intra-hospitalar vivenciadas pelos profissionais que estão ativos em suas funções, relacionados a utilização e manuseios de equipamentos, processo e protocolo nutricional para melhor assistência aos pacientes.

Para Sabrina Coli, enfermeira assistencial do Centro Cirúrgico, as orientações repassadas no treinamento ajudaram a esclarecer dúvidas sobre esses processos.  “Foi muito importante participar desse treinamento porque o enfoque foi na assistência ao paciente, visando o atendimento humanizado. É sempre bom participarmos desses eventos, para que assim todos os setores sejam sistematizados”, destacou.  
Particularidades

Os dois ambientes hospitalares têm como objetivo comum a recuperação do paciente em tempo hábil, onde a particularidade de cada membro da equipe que ali trabalha está orientada para o aproveitamento das facilidades técnicas existentes aliadas a um bom relacionamento humano. Nesse sentido, as atividades multiprofissionais se tornam indispensáveis, uma vez que cada um possui tarefas específicas dentro desse ambiente.

Para atingir esses objetivos, é necessário que o profissional obtenha conhecimentos em tecnologia, recursos humanos e gestão, assuntos bastante abordados nas grades de cursos de graduação e pós-graduação.
Centro Cirúrgico

O Centro Cirúrgico é um setor restrito da instituição hospitalar, composto por diversas áreas que buscam desenvolver condições adequadas para a realização de procedimentos anestésicos e cirúrgicos e que atende diretamente o paciente que tenha necessidade de uma atenção cirúrgica.

Segundo Herickson, o Centro Cirúrgico será de grande valia para Itaituba e região. Nessa área, assim como na UTI, a dinâmica de trabalho deve ocorrer de forma fluida, multi e interdisciplinar. Ou seja, é essencial que permaneça uma integração entre os profissionais que trabalham no Centro Cirúrgico para que todas as exigências sejam realizadas. Visando sempre para garantir a segurança e o bem-estar dos pacientes antes, durante e após a realização de procedimentos cirúrgicos.

UTI

Da mesma forma, a UTI é a área hospitalar reservada para a assistência de pacientes críticos e casos de alta complexidade que necessitam de observação e suporte contínuo. Por ser um ambiente tão importante, requer o trabalho de profissionais efetivamente preparados para lidar com as situações mais adversas.

Diferentemente do que muitos pensam, a UTI não é necessariamente um local que lida apenas com pacientes terminais. É claro que equipes multiprofissionais devem estar preparadas para lidar com fatalidades, mas, essa é uma área hospitalar na qual profissionais implementam um suporte avançado de vida, onde todos os recursos e tecnologias estão disponíveis para que o paciente tenha a chance de se recuperar o mais rápido possível, mesmo em quadros mais críticos.

“Tanto o Centro Cirúrgico como a UTI são fundamentais para que o paciente sobreviva em situações de risco e que saia de uma maneira positiva de dentro dessas áreas hospitalares”, completou Herickson.
Plantão 24horas News, com informações da Ascom-HRT

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search