[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

Com aumento de 62%, Pará lidera desmatamento na Amazônia nos últimos 12 meses

Entre os nove estados que compreendem a Amazônia Legal, o Pará ocupa o topo do ranking do desmatamento nos últimos 12 meses, segundo o Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon. Somente no estado, foram derrubados 2.909 km² de floresta no período, uma área quase o dobro da cidade de São Paulo.

"O Pará teve um aumento de 62% no desmatamento e lidera a lista dos estados responsáveis pela destruição durante os últimos doze meses. Ao todo, foram 2.909 km² de floresta derrubados apenas em território paraense", informa a nota do Imazon.

Em toda a Amazônia, segundo a organização, 6.536 km² de floresta nativa foram derrubados, um aumento de 29% em comparação com o ano anterior. A análise compreende os meses entre agosto de 2019 e julho de 2020.

Povos indígenas de Rondônia em meio à floresta amazônica. — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Povos indígenas de Rondônia em meio à floresta amazônica. — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
O que mais chama atenção da entidade são as áreas que concentram grandes taxas de desmatamento: dos dez municípios que mais desmataram a Amazônia nos últimos 12 meses, seis ficam no estado. Na devastação registrada em julho na Amazônia, 59% ocorreu em áreas privadas.

O avanço do desmatamento em Terras Indígenas é outro ponto que preocupa.

"A Terra Indígena Apyterewa, localizada em São Félix do Xingu, sudeste do Pará, foi o principal alvo dos desmatadores. As TIs Cachoeira Seca do Iriri e Ituna/Itatá, ambas também no Pará, estão na lista das que mais perderam floresta dentro de seus territórios", aponta o Imazon.

Na quinta-feira (6), o governo federal decidiu interromper as ações de combate a crimes ambientais em terra indígena no Pará, um dia após o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ter visitado a região e ter sido alvo de protestos. O grupo que fez o ato chegou a impedir a decolagem de um avião e um helicóptero. Nesta sexta (7), o governo voltou atrás e decidiu manter as ações.

A cidade que mais desmatou a floresta amazônica no período foi Altamira, no sudeste do Pará. Em um ano, foram destruídos 540 km² de área verde do município.

São as 10 cidades que mais desmataram a Amazônia de acordo com o Imazon:

Altamira (PA)
Lábrea (AM)
São Félix do Xingu (PA)
Porto Velho (RO)
Itaituba (PA)
Feijó (AC)
Novo Progresso (PA)
Portel (PA)
Pacajá (PA)
Boca do Acre (AM)

O Imazon destacou a participação do governo federal no avanço do desmatamento na Amazônia.

“Será difícil conter o desmatamento se o governo continuar a intenção de alterar a legislação fundiária para legalizar áreas desmatadas e invadidas ilegalmente. A grilagem de terras públicas é um vetor do desmatamento, que é estimulado com a expectativa de anistia e legalização”, afirmou Brenda Brito, pesquisadora-associada do Imazon.

O climatologista Carlos Nobre lembra que governos que investiram em ações de combate ao crime ambiental conseguiram diminuir o desmatamento na região em mais de 30%, em comparação com os dados atuais.

"Efetivas ações de fiscalização e combate ao crime ambiental fizeram os desmatamentos chegarem a cerca de 4,5 mil km² em 2012. Estamos muito longe deste cenário", compara Nobre.

Ainda nesta sexta-feira (7), o Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, divulgou que de agosto de 2019 até o dia 31 de julho deste ano houve alertas de desmatamento em 9.205 km² da floresta, um aumento de 34,5% no período de um ano.

Se comparados apenas os dados dos meses de julho de 2020 e 2019, houve queda neste mês: em 2020, os dados apontam 1.654 km² de áreas com alertas de desmate. No ano passado, o total foi de 2,2 mil km².

Para o vice-presidente Hamilton Mourão, o dado de julho aponta uma "reversão de tendência". "Ainda é começo, a gente tem que prosseguir até chegar nas metas que nós temos que é colocar o desmatamento dentro do mínimo aceitável", disse Mourão.

Para Nobre, ainda é cedo para falar em tendência de inversão. "Há que se aguardar os próximos meses para verificar se isso reflete uma tendência mais permanente e que possa ser ligada a medidas de fiscalização na região. Os desmatamentos de 2019 e 2020 continuam muito mais altos do que em anos anteriores", diz.

Desmatamento ilegal

Em nota, o Greenpeace Brasil apontou que, assim como demonstrou o Imazon, o desmatamento se concentra em determinadas áreas e municípios.

"Chama muito a atenção o número de grandes polígonos de alertas de desmatamento, com áreas de 3 mil, 4 mil e até 5 mil hectares derrubadas nos últimos 12 meses”, afirma Rômulo Batista, porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil.

A organização explica que esses polígonos de áreas desmatadas indica que o desmatamento da Amazônia é um crime articulado. "Trata-se de esquema organizado, patrocinado por grandes proprietários e grileiros de terra que sentem-se protegidos pelo derretimento das políticas de proteção ambiental e combate ao desmatamento", diz a nota do Greenpeace Brasil.
O desmatamento ilegal na Amazônia não é exclusividade do governo atual, mas, para o secretário-executivo do Observatório do Clima, Márcio Astrini, Jair Bolsonaro é o primeiro presidente que encoraja a ação de invasores por meio de atos e edição de medidas.

"O governo federal é o maior promotor do desmatamento ilegal no Brasil hoje. O governo Bolsonaro é o maior inimigo da floresta amazônica", diz Astrini.

Como exemplo, Astrini cita a Instrução Normativa publicada pela Funai em abril que permite a invasão, exploração e até comercialização de terras indígenas ainda não homologadas pela presidência.

Além de ser um problema ambiental, o aumento no desmatamento também afeta a economia do país.

"O aumento descontrolado do desmatamento já vem causando problemas comerciais ao Brasil, destroçando a imagem do país no exterior. Empresas estrangeiras já deixam de comprar produtos agropecuários e investidores retiram recursos de companhias que compram produtos de áreas abertas irregularmente", comentou o WWF Brasil em nota.

G1 Pará




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search