[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

Cacau: Produção paraense ganha destaque e cresce com apoio da Sedap


A amêndoa de cacau produzida em solo paraense tem sido escolhida, cada vez mais, como matéria-prima para a produção de muitas marcas de chocolate que já caíram no gosto dos brasileiros. E os bons resultados, como a liderança da produção em nível nacional, muito tem sido em função do apoio que os produtores - aproximadamente 26 mil - recebem da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) e uma rede de parceiros.
Produtos de qualidade, ampliação do número de produtores e incentivo à adoção de práticas sustentáveis, com a recuperação de áreas, são alguns exemplos que estão fazendo a diferença para firmar a boa posição do estado no mercado. “Podemos citar a Instrução normativa conjunta da Semas/Ideflor-Bio, nº 33.993, de 25 de setembro de 2019, que define critérios e procedimentos para recomposição de áreas de reserva legal mediante plantio de cacau, como uma das principais medidas da secretaria”, informa o titular da Sedpa, Hugo Suenaga. 
O engenheiro agrônomo Ivaldo Santana, que coordena as ações voltadas para essa cadeia na  Sedap informa que “a secretaria desenvolve sete projetos que beneficiam produtores paraenses”. Segundo Santana, alguns deles são a incubadora de empresas para a cultura do cacau, em fase de implantação, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Educação Profissional e Tecnológica (Sectet); o laboratório de análise sensorial, que fica no PCT Guamá; e o mapeamento e monitoramento das áreas agricultáveis à cadeia produtiva do cacau. 
Outra iniciativa é o fomento à cadeia. Em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), a intenção é ampliar, em 2020, a área plantada no estado para 6 mil hectares, atendendo 1.200 produtores e contribuindo para o reflorestamento dessas regiões. 
Parceria com a Emater para o desenvolvimento de projetos de assistência técnica e extensão rural deve beneficiar 2.600 agricultores familiares, em 26 municípios, nos próximos quatros anos. 
Capacitação - Há iniciativas, ainda, de acordo com o engenheiro agrônomo Ivaldo Santana, para consolidar a lavoura cacaueira nos municípios do entorno da região metropolitana de Belém: Santa Bárbara do Pará, Moju, Acará, Igarapé-Mirim e Barcarena. Executado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o projeto visa incentivar o plantio e os tratos culturais necessários para aumentar produção e produtividade. Os produtores recebem capacitação técnica para a produção de amêndoas com mais qualidade.
A Indicação Geográfica (IG) do produto na região da Transamazônica, que concentra 80% de toda a produção estadual, deve selar ainda mais a qualidade das amêndoas paraenses no cenário nacional. “Conquista que alcançaremos com o apoio do Sebrae. Não podemos esquecer que o cacau paraense foi o primeiro produto do estado a conquistar uma IG, sendo o de Tomé-Açu”, lembra Suenaga. O secretário ressalta que todas essas iniciativas da Sedap e parceiros devem “firmar o título do Pará de maior produtor cacaueiro do Brasil”.
Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search