[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

NOTÍCIAS

COLABORE COM NOSSOS AMIGOS PELUDOS!

Demora na inauguração do hospital regional desencadeia panelaço, em Itaituba

No próximo dia 26 de junho o hospital completa sete anos que está em construção e o prazo para conclusão da obra era de 540 dias.

A construção do Hospital Regional do Tapajós foi iniciada no dia 26 de junho do ano de 2013 e tinha um prazo de 540 dias para a obra ser concluída, mas sete anos se passaram e até agora o hospital não entrou em sua total funcionalidade.

Pacientes que precisam de atendimento médico de média e alta complexidade precisam buscar esse atendimento em Santarém ou Belém através do tratamento fora de domicilio – TDF.

Grupo reunido em frente ao hospital regional do Tapajós, em Itaituba.
Com a pandemia causada pelo novo coronavirus e o alto número de casos da covid-19 em Itaituba, as expectativas são de que a unidade fique pronta o mais rápido possível, atendendo a demanda de pacientes graves com a doença e que precisam de cuidados especializados, na Unidade de Terapia Intensiva – UTI. O governo do estado alegou que para inauguração, depende da drenagem subterrânea que seria feita pela prefeitura.

Como forma de protesto um grupo de pessoas realizou na manhã desta sexta-feira (19), um panelaço em frente ao hospital. Com panelas nas mãos e vestidas de preto cinco mulheres manifestantes demonstraram sua insatisfação a demora na inauguração do Hospital Regional do Tapajós.


O protesto foi liderado pela empresaria Madalena Costa que disse estar revoltada com essa demora por parte do governo em inaugurar a o hospital, Madalena revelou que quando precisou de atendimento médico, teve que ir para Santarém por várias vezes, o que poderia ter sido evitado, se o hospital já estivesse em pleno funcionamento a mais tempo.

O grupo de mulheres que obedeceu às regras de distanciamento social e espera que o ato possa chamar atenção dos órgãos competentes para o funcionamento do hospital.

On News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search