[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
pará
Polícia Federal
Polícia Militar
politica
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
Saúde
traficante
Traficantes

Nova Medida Provisória visa proteger a economia no Brasil

De acordo com a Medida Provisória nº 948, publicada no Diário Oficial da União (DOU) na última quarta-feira (08), as normas para cancelamento de serviços, reservas e de eventos dos setores de turismo e cultura, tais como espetáculos e shows mudaram. Isso assegura que os prestadores de serviços e empresários não serão obrigados a reembolsar os valores pagos pelo consumidor, desde que assegurem a remarcação dos serviços mencionados acima. 
 

O docente do curso de Direito da UNAMA – Centro Universitário da Amazônia, em Santarém, Alexandre Scherer, explica que esta MP se dá pela calamidade pública causada pelo Covid-19, visando proteger a população e a economia brasileira. “O mundo e o nosso país estão passando por uma situação emergencial no que diz respeito à saúde pública, por conta do Coronavírus. Diante disso, o Governo Federal decretou estado de calamidade pública e vem legislando no intuito de proteger a população e a economia brasileira. Nessa linha de raciocínio, editou mais uma medida provisória, de nº 948, pela qual veio tratar normativas para o cancelamento de serviços, reservas e eventos do setor turístico e cultural”, destaca.
 
O advogado processualista também afirma que esse cancelamento traz consequências para os contratantes, consumidores e aos prestadores de serviços que estão sendo prejudicados pela não realização dos eventos em virtude da aglomeração de pessoas, por conta do risco de contágio do vírus. Neste sentido, o legislador trouxe algumas regras que diminuirão os conflitos sobre estes cancelamentos de natureza social. São elas:
 
- A remarcação dos serviços, das reservas e dos eventos cancelados; 
- A disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços, reservas e eventos, disponíveis nas respectivas empresas. 
 
Outro acordo a ser formalizado com o consumidor
 
Na hipótese de impossibilidade de ajuste, o prestador de serviços ou a sociedade empresária deverá restituir o valor recebido ao consumidor, atualizado monetariamente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial - IPCA-E, no prazo de doze meses contados do encerramento do Estado de calamidade Pública.
 
Portanto, é preciso destacar que, apesar de haver essa nova política de cancelamento da prestação de sérvios de cunho turístico e cultural, os direitos de ambas as partes contratantes continuam sendo resguardados. De um lado o consumidor, que terá assegurado seu direito à prestação do serviço contratado, e do outro a sociedade empresária, que receberá pelo serviço prestado. Serviço este que somente estará obrigado a ocorrer no prazo de um ano a contar de 31 de dezembro de 2020..

Unama/Ascom/Lana Mota

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search