[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Indígenas Munduruku protestam contra ações de garimpeiros e interditam via de acesso à Jacareacanga


Indígenas da etnia Munduruku iniciaram uma interdição na estrada que dá acesso ao município de Jacareacanga, no sudoeste do Pará, desde a madrugada desta segunda-feira (14). Os manifestantes declararam que não há previsão para o fim da interdição e que têm sofrido diversas ameaças em função de manifestações contra a ação de garimpeiros.

Povo Munduruku interdita via de acesso à Jacareacanga — Foto: Reprodução / Cimi
O grupo se reuniu contra a regularização da mineração nas terras indígenas e exigem a retirada imediata de garimpeiros que atuam no território Munduruku. Os indígenas exigem, ainda, a realização de uma audiência pública com o Ministério Público Federal (MPF), prefeito e vereadores do município para tratar do assunto.

De acordo com a Conselho Indigenista Missionário (Cimi), o povo Munduruku tem se mobilizado e realizado manifestações contra a legalização do garimpo em terras indígenas desde o dia 27 de setembro. No total, o povo Munduruku conta com 14 mil indígenas que vêm sendo diretamente afetados pela atividade garimpeira. Em um comunicado, a Cimi informou que o garimpo só traz prejuízos ao território: "Vocês estão destruindo nossos locais sagrados, perturbando o mundo dos nossos espíritos. Isto traz doenças e morte para nosso povo. Não vamos aceitar mais destruição. Nossos rios estão poluídos com mercúrio, nossos peixes estão morrendo", declarou.

Em fevereiro de 2018, o MPF ajuizou uma ação que visava garantir a fiscalização contra garimpagemilegal no território Munduruku. Na ocasião, denúncias apontavam uma série de danos socioambientais provocados pela intensa atividade dos garimpos, como a redução da pesca, contaminação por mercúrio, além de afetar os costumes da comunidade ao trazer bebidas alcoólicas, drogas e prostituição para a região.

G1 Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search