[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes

NOTÍCIAS

Conselhos irão recorrer do veto de Bolsonaro a PL que obrigava a presença de psicólogo e assistente social em escolas públicas

"Não é uma despesa, é um investimento na sociedade", assim reagiu a presidente do Conselho Regional de Psicologia (PA/AP), Jureuda Duarte Guerra, à decisão do presidente Jair Bolsonaro de vetar o projeto de lei que tornava obrigatório prestação de serviços de psicologia e de serviço social nas redes públicas de educação básica. O veto foi publicado na edição de quarta-feira do Diário Oficial da União (DOU).


A justificativa para o veto total da presidência seria a criação de despesas ao Poder Executivo sem que houvesse indicação de uma fonte de receita para a implementação do projeto.

Na avaliação de Jureuda Guerra, é lamentável que o presidente não tenha a compreensão de que o projeto "não se trata de despesa, o que vemos como saúde mental". "Quando vemos esse fenômeno da violência nas escolas, automutilação, casos de suicídios de adolescentes, mostra a falta que esses profissionais fazem nas escolas. É possível detectar os problemas que um aluno traz de casa, da família para dentro da escola. Com esses profissionais (nas escolas) vem um leque de serviços que permite o auxílio ao aluno a enfrentar a situação pela qual está passando", defende a psicóloga.

A aprovação da PL ampliaria o atendimento dos assistentes sociais, atualmente atuando somente em escolas particulares e limitados a avaliação das condições socioeconômicas de alunos para a concessão de bolsas e descontos, lembra Jureuda. "A atenção ao aluno seria muito maior. Casos de bullying, agressões de alunos contra professores, de professores contra alunos, o aluno com problemas familiares, tudo seria tratado com maior clareza. Isso permitiria o desenvolvimento do aluno descobrindo se ele traz de casa ou da escola para casa seus problemas", afirma.

A identificação de distúrbios ou casos mais graves de comportamento também seriam mais facilmente identificados pelos profissionais de psicologia e assistência social. "Nós tivemos agora a campanha do setembro amarelo, e do que adianta se não trabalhamos desde cedo com os jovens a procurar apoio emocional. Ninguém acorda da noite para o dia e diz 'vou me matar'. Não. Mas poderíamos desenvolver campanhas contra a violência, a violência contra a mulher, contra a cultura do estupro, entre tantas possibilidades e um amparo maior dentro da escola", argumenta a psicóloga.

"Despesa" - Na justificativa apresentada pela presidência ao veto, a falta de indicação de uma fonte de recursos para implementação da PL foi dada como fundamental.

"A propositura legislativa, ao estabelecer a obrigatoriedade de que as redes públicas de educação básica disponham de serviços de psicologia e de serviço social, por meio de equipes multiprofissionais, cria despesas obrigatórias ao Poder Executivo, sem que se tenha indicado a respectiva fonte de custeio, ausentes ainda os demonstrativos dos respectivos impactos orçamentários e financeiros, violando assim as regras do art. 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, bem como dos arts. 16 e 17 da Lei de Responsabilidade Fiscal e ainda do art. 114 da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019 (Lei nº 13.707, de 2018)", argumenta a Presidência da República, que ouviu os ministérios da Educação e da Saúde para decidir pelo veto à matéria."

*Campanha* - Diante do veto de Jair Bolsonaro, a presidente do CRP garante que o Conselho Federal de Psicologia e os regionais iniciarão uma ampla campanha, buscando o apoio da sociedade para que a PL volte ao Senado Federal e assim o veto presidencial seja derrubado. "Vamos pedir a sanção do presidente, pois se trata de um investimento na sociedade. Hoje se discute a redução da maioridade penal, mas a busca por uma harmonia social está na identificação da origem desse problema e como evitá-lo".


Fonte: Márcio Sousa Cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search