[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Organização ambiental diz que garimpo ilegal está desmatando e contaminando rio em terra indígena de Jacareacanga


Acampamentos para o garimpo ilegal estão devastando grandes áreas de mata nativa na terra indígena Munduruku, no sudoeste do Pará, alerta neste sábado (21) o Greenpeace. Segundo a organização, as ações também contaminam o rio que cruza a região de Jacareacanga.

Foto: (Reprodução/Jornal Nacional).

A organização ambiental divulgou um vídeo onde é possível ver enormes crateras de desmatamento em meio a floresta. Neles estão contidos acampamentos com escavadeiras trabalhando e revelando um garimpo. Há um ponto que dá para ver os rejeitos da mineração clandestina desaguando no rio. A coloração da água segue alterada por cinquenta quilômetros.

Observando a ação ilegal dos garimpeiros, o cacique do povo Munduruku, Arnaldo Kaba Munduruku, que é responsável por mais de 100 aldeias na região, disse que está triste com a invasão das terras e ficou impressionado com as máquinas pesadas dentro da floresta e a contaminação do rio.

"Além de muito triste é muito feio. Isso não pode acontecer", completou o cacique.

Crescimento do desmatamento

De acordo com um estudo feito pelo Greenpeace, analisando os alertas de desmatamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em dois anos a destruição da floresta na terra indígena Munduruku aumentou quase seis vezes.

Garimpo ilegal contamina rio na terra indígena Munduruku, em Jacareacanga. Foto: Reprodução/Jornal Nacional

Segundo os dados, de janeiro a julho de 2017 cerca de 2,64 km² de floresta foram desmatados. No mesmo período em 2018, o número subiu para 4,84 km²; e agora, de janeiro a julho de 2019, o número é de 15,46 km², o equivalente a 1500 campos de futebol.

Ainda segundo o Greenpece, o desmatamento nas terras indígenas da Amazônia cresceu quase seis vezes em dois anos, saindo de 29,54 km², de janeiro a julho de 2017; para 161,22 km² no mesmo período neste ano.

"Isso representa uma situação muito difícil para os indígenas que moram nessa região. Além do desmatamento, além da floresta estar ameaçada, a vida dessas comunidades também correm risco", afirmou Márcio Astrini, coordenador de políticas Públicas do Greenpeace

De acordo com as lideranças indígenas, as invasões e o garimpo ilegal foram denunciados aos órgãos de fiscalização ambiental e ao Ministério Público

"Algumas operações de fiscalizações in loco dessas garimpagens clandestinas são realizadas, mas apenas isso é insuficiente para combater toda a complexidade desse problema", explicou Luís de Camões Boaventura, procurador da República.

Notas

Em nota, o Ministério do Meio Ambiente informou que as solicitações para esclarecimentos sobre os fatos e ações do Governo Federal sobre o caso deveriam ser enviadas para a Fundação Nacional do Índio (Funai), ao Ministério de Minas e Energia e ao Ministério da Defesa.

O Ministério da Defesa disse, em nota, que desde o dia 23 de agosto, quando o presidente Jair Bolsonaro autorizou o uso das forças armadas no combate aos crimes ambientais e aos focos de incêndios na Amazônia Legal, os militares combateram mais de 500 focos de incêndio em toda a região. Além disso, segundo o Ministério, foram lavrados 112 autos de infração, que resultaram em mais de R$ 36 milhões em multas aplicadas.

A Funai e o Ministério de Minas e Energia ainda não se posicionaram sobre o caso.

Fonte: G1 Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search