Novo chefe do Ibama no Pará que afirmou em audiência pública que iria parar a queima de máquinas em garimpos ilegais, é demitido

Novo chefe do Ibama no Pará que afirmou em audiência pública que iria parar a queima de máquinas em garimpos ilegais, é demitido


O governo Jair Bolsonaro demitiu na tarde desta terça-feira (10) o novo superintendente regional do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) no Pará, o coronel da Polícia Militar Evandro Cunha dos Santos, nomeado para a chefia do Ibama paraense no último dia 2 pelo ministro Ricardo Salles.

Foto: (Reprodução).

A exoneração, assinada pelo ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), será publicada na edição de quarta-feira (11) do Diário Oficial da União. O servidor público foi afastado por ter feito a declaração sem respaldo do governo federal. 

Em audiência pública, na segunda-feira (9), ele havia dito que recebeu ordem para interromper a queima de veículos que são flagrados pela fiscalização do órgão federal cometendo crimes ambientais na Amazônia. As declarações de Santos causaram forte reação no comando do Ibama em Brasília.

Audiência pública em Altamira. 

Para fiscais do Ibama, a fala de Santos colocava em risco servidores do órgão atualmente em operação no município de Altamira, campeão de desmatamento e de focos de incêndio no país. Segundo dados do Inpe, já foram registrados 3.037 focos de incêndio de 1 de janeiro até 8 de setembro. 

Na semana passada, fiscais do Ibama fizeram uma grande operação de repressão a garimpos ilegais na floresta nacional do Crepori, no Pará, e queimaram equipamentos, incluindo duas retroescavadeiras, encontrados operando dentro da área protegida por lei.

A destruição é autorizada pela legislação ambiental por duas razões principais: a dificuldade de rebocar os equipamentos apreendidos e a possibilidade de ações armadas para resgatar os veículos, como já ocorreu na Amazônia.


Fonte: Folha de São Paulo

Postar um comentário

0 Comentários