Audiência na Funai em Brasília (DF) suspende desapropriação de áreas que seriam destinadas a ampliação de reserva indígena

Audiência na Funai em Brasília (DF) suspende desapropriação de áreas que seriam destinadas a ampliação de reserva indígena

A proposta prevê a incorporação de cento e vinte e seis mil hectares de propriedades rurais já tituladas, nas comunidades de Ipiranga, Igarapé Preto, Cocalino e Nova Conquista ao projeto de redemarcação da reserva indígena Mundurukú. 


Essas comunidades estão nas duas margens do rio Tapajós e, segundo a Funai, um estudo antropológico iniciado em 2008 teria determinado que boa parte das áreas é de domínio de reserva indígena e poderão ser desapropriadas dentro de um novo processo de demarcação. 

Com base nas informações repassadas pelos integrantes do Grupo de Trabalho que desenvolve o processo, o vereador Junior Pires e o advogado Jacob Sousa, que representa parte das comunidades que seriam afetadas pela redemarcação, articularam junto ao senador Zequinha Marinho uma audiência em Brasília com a Presidência da Funai. 

Na pauta da audiência, o principal item foi a solicitação das comunidades em suspender de imediato o processo, que já está sendo tratado como uma afronta aos direitos adquiridos pelos colonos que vivem na área, todos reconhecidos pelo Incra. 

O senador Zequinha Marinho não participou da audiência, mas é um dos que mais conhecem o assunto. Ele assumiu o compromisso de fazer cumprir o que ficou decidido, com base nas determinações da Presidência da República, em não permitir a demarcação de novas terras indígenas. 

Zequinha também fez duras críticas à Funai, que, segundo ele, está mais a serviço de ONGs ambientalistas do que à causa indígena.

Portal Mauro Torres.

Postar um comentário

0 Comentários