[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Com nova lei, Estado promove regularização fundiária e combate grilagem e desmatamento

Foi publicada na edição desta quarta-feira (26) do Diário Oficial do Estado a Lei nº 129/ 2019, aprovada no último dia 11 de junho pela Assembleia Legislativa do Estado, a partir de uma proposição do Executivo.


A nova legislação fundiária visa regularizar terras já ocupadas por pequenos, médios ou grandes produtores, desde que estes cumpram os requisitos previstos na legislação e que deverão ser verificados em um processo administrativo, dentro do qual ocorrerão análises técnica e jurídica, com a participação direta dos diversos segmentos da sociedade – incluindo as populações tradicionais –, que terão participação franqueada no processo de regularização. É mais uma ação do Estado no combate ao desmatamento e à ocupação irregular de terras.

Segundo o presidente do Instituto de Terras do Pará (Iterpa), Bruno Kono, a nova lei não vai estimular a ocupação ilegal de terras no Estado. "É urgente a necessidade de inverter essa situação das ocupações irregulares no Estado do Pará, proporcionando as condições legais e reais para trazer as pessoas para a regularidade.

Deixá-las na clandestinidade e em estado de vulnerabilidade é que estimula a violência no campo e a grilagem", explica Kono.


Bruno Kono, presidente do Iterpa
Foto: Alex Ribeiro / Ag. Pará

Para o presidente do Iterpa, a nova lei não está "facilitando" a vida dos grileiros ou coisa do tipo, mas, sim, levando o serviço de regularização fundiária para quem, de fato, precisa, cumpra os requisitos legais e passe por todo processo administrativo de regularização. "O que há é a adequação dos requisitos legais de acordo com a realidade de quem precisa do serviço público de regularização fundiária. Cabe ao Legislativo traduzir na lei aquilo que é necessário para se ter acesso a esse serviço público e não dificultá-lo, mantendo os produtores na irregularidade", pontua.

"A lei é explícita em vedar a utilização de documentos como os títulos de posse. Ela vem acabar de forma expressa e taxativa com esses títulos podres, que não poderão validar qualquer ato de grilagem identificado – e a identificar – nos cartórios do Pará. São documentos que já estão com as suas matrículas devidamente canceladas pelo Tribunal de Justiça e que tanto provocam a confusão fundiária no nosso Estado", assevera.

Produtividade – Bruno Kono também fala sobre a exploração sustentável das florestas, outro tema tratado pela lei e que, para ele, está sendo distorcido em algumas manifestações de entidades e organizações da sociedade civil. A ideia, segundo ele, é tornar produtivas essas áreas por meio de manejo sustentável ou outros serviços ambientais, seguindo as regras do Código Florestal. "Nesse caso, existem dois caminhos a seguir: ou mantemos florestas públicas que o Estado não tem condições de proteger devido ao tamanho continental do seu território, ou promovemos a regularização fundiária das áreas para que sejam desenvolvidos projetos de manejo", opina.

A lei é mais uma ação efetiva do Estado no combate ao desmatamento, com o estímulo a projetos sustentáveis, inclusive para fins de servidão ambiental e emissão de Cotas de Reserva Ambiental para fins de regularização ambiental. São medidas que, segundo o Iterpa, podem evitar a abertura de áreas para fins de regularização fundiária, diferente do que ocorria com a lei anterior, do ano de 2009, que estimulava o desmatamento. O presidente do instituto acrescenta que a nova lei não vai retirar fases importantes em um processo de regularização, como a análise de documentos pessoais, vistoria técnica da área, atos de publicidade e análise jurídica.

 "Isto é o devido processo legal de regularização fundiária".

O gestor ainda comenta o fato de o Pará continuar figurando nas listas de territórios com maior número de conflitos agrários em todo o País, o que, para ele, se deve, justamente, à ausência de regularização fundiária, "provocada pela lentidão dos processos, falta de estrutura da administração pública fundiária e a legislação que não permite regularizar porque é fora da realidade do campo".

Segundo ele, a maior parte dos conflitos acontece em áreas de assentamento da União ou mesmo em áreas já tituladas e de domínio privado. "Pagamos o preço histórico por isso. Quem sai manchado é o Estado do Pará pela falta de regularização fundiária das áreas pertencentes à União, em especial as áreas destinadas à reforma agrária sob a responsabilidade exclusiva do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Já no que se refere à regularização fundiária de grupos como agricultores familiares, comunidades tradicionais e remanescentes quilombolas, estes continuam com prioridade em relação à definição e titulação dos seus territórios", informa, acrescentando que, ainda neste ano, serão entregues seis novos assentamentos e dois territórios quilombolas pelo governo do Estado.

Agência Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search