[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Susipe e CNJ discutem ações para enfrentar a crise do sistema penal

A apresentação de projetos mantidos pelo sistema prisional do Pará e a discussão de ações do Programa Justiça Presente foram os principais temas da reunião ocorrida na manhã desta terça-feira (7), entre o secretário Extraordinário de Estado para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos, e a equipe do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), na sede da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe).


 Também participaram da reunião a juíza Maria de Fátima Alves da Silva, coordenadora do grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução e Medidas Socioeducativas do Pará (GMF); Fernanda Almeida, coordenadora estadual do Projeto Justiça Presente; Fabiana Leite, coordenadora do Eixo 1 do Programa; Pollyanna Alves, coordenadora do Eixo 3; Renata Laurino e Rodrigo Cordeiro, também do CNJ, e diretores da Susipe.


Durante a reunião, Fabiana Leite apresentou o Plano Executivo Estadual do Pará e explicou como serão divididas as ações do Projeto Justiça Presente no Estado. 

"Estamos visitando todas as unidades da Federação, fazendo uma escuta qualificada e pactuando com os órgãos envolvidos no sistema penal para a execução do Plano Executivo Estadual. Seremos também facilitadores, em caso de problemas com recursos no Departamento Penitenciário Nacional (Depen), para viabilizar a execução dos quatro eixos estratégicos do ‘Justiça Presente’, que serão implementados no Brasil todo, mas adaptado às particularidades de cada Estado", informou Fabiana Leite.

*Diretrizes -* O primeiro eixo enfatiza a racionalização das portas de acesso ao sistema carcerário, assim como novas penas alternativas. No segundo, o objetivo é a qualificação de medidas socioeducativas. 

Ampliar o acesso a direitos e à cidadania para presos e egressos, e criar um sistema eletrônico unificado de informação de execução penal, em todos os Tribunais de Justiça do Brasil, são as diretrizes dos eixos três e quatro, respectivamente. O Pará já está à frente neste último processo.

Pollyana Alves, coordenadora do Eixo 3, disse que a qualificação da porta de saída vai possibilitar maior acesso a direitos e a ações de cidadania para presos e egressos. “A Justiça Presente entende que, para garantir a ressocialização, os poderes Judiciário e Executivo têm que trabalhar juntos na implementação de políticas já existentes para dentro das unidades, e qualificar a porta de saída, ou seja, ter uma atenção especial aos egressos do sistema prisional. Essas estratégias melhoram e garantem a ressocialização do interno”, afirmou.

Segundo a juíza Maria de Fátima, o sistema penitenciário passa por uma crise nacional, que não tem uma solução fácil ou única. "O que estamos fazendo é pensar em meios de minimizar o impacto dessa crise, e todos os órgãos são importantes para a construção de vias alternativas à prisão. O Poder Judiciário está em parceria com o CNJ e a Susipe para pensar projetos que possam qualificar a porta de entrada e saída do sistema penitenciário, para que o egresso possa realmente ter uma reinserção social”, ressaltou.

Fernanda Almeida, por coordenar o “Justiça Presente” no Pará, terá um papel fundamental no monitoramento dessas ações. “Vamos acompanhar as ações direcionadas no Plano Estadual, tanto com o Executivo quanto o Judiciário. Iremos propor novas ações, e acompanhar as já existentes na área da reinserção e da cidadania. O CNJ também vai oferecer para a Susipe ferramentas que auxiliem nesse trabalho, e vamos ajudar na implantação do projeto, além de acompanhar o monitoramento e as avaliações”, disse a coordenadora. 

*Esforço concentrado -* O secretário Extraordinário de Estado para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos, garantiu que o “Justiça Presente” ajudará muito o sistema prisional do Pará no desenvolvimento de projetos já existentes. 

“O CNJ sabe que temos problemas. Um deles é que o Estado do Pará é o que mais prende cautelarmente, e reconhecemos isso. Temos uma relação excelente com o Poder Judiciário do Pará e com todas as instâncias que tratam do sistema penal. Também já temos um projeto para realizar um esforço concentrado para minimizar a superlotação, e essa parceria com o ‘Justiça Presente’ vem no momento certo para acelerar esse processo. Nós ainda vamos alinhar todas as nossas ações de reinserção social, de biometria, vídeo-audiência, saúde e obras que já estão em processo junto ao Departamento Penitenciário Nacional, com a Política Nacional do Conselho”, garantiu o secretário.

Para dar andamento ao projeto, Jarbas Vasconcelos nomeou diretores da Susipe para ficarem responsáveis pelos encaminhamentos. Breno Nunes, diretor de Licitação, Contratos e Convênios, coordenará o projeto de implementação da Biometria. Kamila Costa, diretora de Logística, Patrimônio e Infraestrutura, será a responsável pela Central de Alternativas Penais. A reinserção social de internos e egressos ficou sob a responsabilidade de Edwilson Nascimento, diretor de Reinserção Social, e Belchior Machado, coordenador de Assistência ao Egresso. A execução penal está aos cuidados de Fernanda Souza, diretora de Execução Criminal.

*Visitas técnicas -* Representantes do CNJ fizeram uma visita técnica para conhecer as instalações e os projetos da Susipe. Cinco representantes do Conselho Nacional de Justiça visitaram, na última segunda-feira (06), a Escola de Administração Penitenciária (EAP) da Susipe, onde é feita a implantação das tornozeleiras eletrônicas, e o Centro Integrado de Operações (Ciop), onde o acompanhamento dos monitorados é feito diariamente.

Outro objetivo da visita foi apresentar o Programa Justiça Presente, resultado de uma parceria entre o CNJ e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) para o enfrentamento da crise no sistema penal brasileiro.

O projeto já foi lançado em outros estados, e deve alcançar todas as unidades da Federação. Iniciativa da gestão do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, o “Justiça Presente” mantém parceria com agências da Organização das Nações Unidas (ONU), e coloca o Judiciário como protagonista para enfrentar a crise no sistema penal.

O programa resultou de um acordo de cooperação técnica firmado em novembro de 2018, com recursos repassados pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Entre as principais apostas do programa estão a atuação simultânea em todos os gargalos da execução penal, a customização das atividades de acordo com as necessidades e capacidades de cada unidade da Federação, e o fortalecimento dos participantes locais para garantir a eficácia e a sustentabilidade das iniciativas.

Os representes do CNJ visitaram ainda projetos desenvolvidos no Centro de Recuperação Feminino (CRF), como a Coostafe (Cooperativa de Arte Feminina), e a Unidade Básica de Saúde e a horta cuidada pelos internos com base nas orientações e cursos desenvolvidos pela Diretoria de Reinserção Social (DRS).

De acordo com o diretor do DRS, Edwilson Nascimento, por trás da sigla Coostafe está a palavra esperança. "Está é uma possibilidade de futuro para as detentas. Elas participam de palestras multinacionais, fazem cursos, estudam e trabalham. As mulheres que trabalham aqui se tornam multiplicadoras. Por aqui já passaram 250 internas. Por meio da nova gestão estamos assumindo projetos já existentes e trabalhando a ampliação destes, além de iniciar novos programas de reintegração", acrescentou.

Quer ficar bem informado? Baixe agora nosso aplicativo clicando aqui.
(Por Melina Marcelino).
(Susipe - Agência Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search