[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Startup cria projeto de palafita sustentável adaptada ao movimento do rio

Transformar o conhecimento acadêmico em tecnologias úteis e novos tipos de negócios é uma das razões da existência do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, espaço onde boas ideias se tornam soluções para empresas e a sociedade. A Várzea Engenharia, startup residente no parque tecnológico desde 2016, criou um projeto de palafita com elevação hidráulica, pensando no período de cheia dos rios.


A palafita é feita com madeira biossintética, produzida a partir da reciclagem de polietileno, um tipo de plástico usado largamente na indústria de embalagem. O material recebe um tratamento repelente, à base de andiroba, para afastar os mosquitos transmissores de doenças. 

O projeto prevê ainda a instalação de fossa séptica e biológica com sistema de filtro natural, permitindo tratamento e potabilidade da água; captação de energia fotovoltaica solar, através de placas na cobertura; e sistema de comunicação ad hoc, uma tecnologia de rede sem fio que dispensa o uso de um ponto de acesso comum aos computadores conectados a ela, de modo que todos os dispositivos da rede funcionam como se fossem um roteador, encaminhando comunitariamente informações que vêm de dispositivos vizinhos.

A ideia da startup surgiu quando José Coelho Batista cursava a graduação em engenharia civil. Ela conta que, no primeiro dia da aula, durante a disciplina metodologia científica, o professor pediu que cada aluno escolhesse um objeto de estudo e deu a orientação que tivesse algo a ver com sustentabilidade.

“Lembro que peguei a caneta, o caderno, baixei a cabeça e escrevi todo o projeto Casa de Várzea, direto. A casa de elevação hidráulica veio naturalmente porque foi o que vivi na infância. A cada seis meses tínhamos que abandonar a nossa casa, na região de várzea no município de Juruti. Estava ali no subconsciente”, fala o empreendedor.

Trajetória – No Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, a startup surgiu no coworking, ambiente compartilhado de trabalho. À medida que o negócio foi se desenvolvendo, a empresa cresceu e ocupou sala própria no prédio Espaço Empreendedor. A startup, que começou apenas com o trabalho do idealizador, hoje abriga uma equipe com dois engenheiros civis, três doutores em diferentes áreas, um economista e mais uma equipe volante, que dará apoio ao desenvolvimento dos projetos piloto das escolas de várzea.

O plano é que, em um futuro próximo, a startup construa um prédio próprio na área de parque tecnológico, para a instalação de uma unidade fabril que será responsável pela produção, em larga escala, da madeira biossintética.

“Com a construção da fábrica, além de empregar mão de obra local, temos a previsão de reciclar aproximadamente 20% do volume de plástico descartado na região metropolitana de Belém. A ideia é estimular a cadeia de reciclagem desse material, tornando, inclusive, o plástico uma moeda de troca para o pagamento da casa”, informa José.

Rede – Estar inserido no ecossistema de inovação do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá possibilitou parcerias que fortaleceram e viabilizaram o projeto. 

Além da Fundação Guamá, gestora do parque, a startup hoje atua em parceria com a BioTec Amazônia, fundação também residente no PCT Guamá; a startup Ver-o-Fruto, responsável pela implantação de filtros de carvão ativado; a Ecoset, empresa de consultoria que trabalha na área ambiental; a Vigha, que trabalha sistema de gerenciamento de obras; a Like, responsável pelo suporte na comunicação; o Instituto My Amazon, que dará apoio no network e captação de recursos; e secretarias de governo.

Próximos passos – Segundo o empresário, a perspectiva é que, ainda este ano, sejam implantadas duas escolas utilizando o modelo de tecnologia da startup: uma de 500 m², situada em Abaetetuba e gerenciada pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc); e uma escola técnica de pesca, cuja localidade ainda será definida, administrada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet).

Sobre o PCT Guamá – O Parque de Ciência e Tecnologia Guamá foi criado a partir da parceria entre as universidades Federal do Pará (UFPA) e Rural da Amazônia (Ufra), que cederam ao Governo do Pará a sua área de instalação, e a Sectet, hoje a principal mantenedora do empreendimento.

A Fundação de Ciência e Tecnologia Guamá, por sua vez, foi qualificada para realizar a gestão administrativa, financeira, física e ambiental do PCT Guamá desde 2009.
Seu principal objetivo é estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

Com uma área de 72 mil metros quadrados, reúne atualmente 15 centros e laboratórios tecnológicos, 13 startups e 38 empresas, instituições de pesquisa e grupos residentes.

Situado entre a UFPA e a UFRA, apresenta espaços voltados para a instalação de pequenos e médios empreendimentos de base tecnológica, laboratórios e centros de pesquisa e desenvolvimento, assim como empreendimentos nascentes (startups) e temporários.

Juliane Frazão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search