Diretor do HMI presta esclarecimentos a respeito dos serviços da Unidade

“A emergência do HMI está recebendo um grande número de ocorrências, que deveriam ser resolvidas nos Postos de Saúde.” disse o Diretor do hospital, Adriano Coutinho.


A sala de Urgência e Emergência do HMI, inaugurada em dezembro de 2018, está recebendo, em média, 230 (duzentos e trinta) pacientes por dia, comprometendo os serviços essenciais de Urgência e Emergência.


Isso, porque a maioria dos pacientes que deveriam procurar as Unidades Básicas de Saúde, estão procurando a sala de emergência do Hospital Municipal ao invés de buscar os serviços ambulatoriais, que estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde.

Diante deste quadro, a emergência do HMI está recebendo um grande número de ocorrências, que deveriam ser resolvidas nos Postos de Saúde, disse o Diretor do HMI Adriano Coutinho. Este mês de março foram realizados 5500 (cinco mil e quinhentos) procedimentos.

Em coletiva a imprensa, Adriano Coutinho pontuou algumas situações preocupantes ocorridas no dia a dia na sala de Urgência e Emergência do Hospital Municipal:
“Para atender a demanda considerada altíssima, comparada, por exemplo, a Emergência do Hospital Municipal de Santarém, que recebe usuários de seis municípios e atende, em média, por dia, 250 (duzentos e cinquenta) pacientes, Itaituba dia após dia vem aumentando o número de atendimentos na sala de Urgência e Emergência; neste último mês de março recebeu quase a mesma quantidade de pacientes que Santarém. Em virtude disto, foi necessário aumentar progressivamente o quadro de servidores, composto por médicos, enfermeiros e técnicos, somente para atender na sala de Urgência e Emergência, que agora dispõe de um médico para visitas médica de rotina.”

Ainda de acordo com o Diretor, o aumento dessa demanda se dá, pela melhoria e confiança dos serviços. Porém, compromete o atendimento de quem realmente está necessitando de atendimento de Urgência ou Emergência.


PRIORIDADES PARA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA:
“A sala de Urgência e Emergência, como o nome já diz, é para casos emergenciais, casos de atendimentos imediatos com eminência de morte, não para realizar consultas, para fazer checkup (exame médico minucioso), raios-X, entre outros.

Quando chega um paciente em estado grave, toda a equipe será mobilizada em prol da saúde daquele paciente que está correndo risco de morte. Isso, não uma regra só aqui do HMI, mas normas do Ministério da Saúde. Às vezes, receber um “não”, por algumas coisas que não são de atribuição da sala de Urgência e Emergência, gera descontentamento e passam a tentar denegrir a imagem do hospital dos servidores. Ou por não quererem esperar diante das prioridades, agridem de todas as formas os profissionais com palavras de baixo calão, até agressão física e ainda se acham no direito de usar as redes sociais para tentar manchar a imagem do HMI.


Problemas de saúde de baixo risco como febre baixa, tosse, dor de cabeça, na unha ou coluna, doenças crônicas, entre outras, são classificados por cores na ficha; marcando o tempo de atendimento de acordo com cada caso. Os usuários que apresentam esses e outros sintomas de baixo risco vão receber atendimento para melhorar os sintomas, não para curar.


Nestes casos, o correto é procurara as UBS para continuação do tratamento. Outro detalhe, vacinação, renovação de receitas de medicamentos controlados, devem ser feitos na UBS, não final de semana na sala de Emergência.

As pessoas não estão sabendo separar os serviços de Urgência, Emergência e Ambulatorial, isso está sobrecarregando as equipes. Destacou Adriano Coutinho”.


DENÚNCIAS:
“Todos os casos, que tentaram denegrir a imagem do Hospital Municipal, foram apurados com rigor e, verificamos que 99% são feitas por pessoas achando que teriam alguns direitos, sem tê-los, outras não aceitam esperar por um determinado tempo para serem atendidas, outras querem usufruir de serviços que deveriam buscar através das UBS, e ainda tem casos que querem exigir dos médicos procedimentos exclusivos das UBS. Portanto, a população precisa saber diferenciar esses serviços.

Enquanto os profissionais estão tentando socorrer pessoas em estado gravíssimo, falta humanização de algumas que, usam as redes sociais com intuito de denegrir a imagem e o trabalho dos profissionais que estão ali para servir com todo profissionalismo, disse o Diretor”.


TELEFONES:
Outra questão apurada são as denúncias do uso do aparelho celular. “As regras aqui são bem claras; O médico plantonista e o enfermeiro gerente têm autorização para usar telefone caso seja necessário solicitar a presença de outros profissionais de sobreaviso; aos demais servidores é proibido o uso do aparelho no horário de expediente.

O que nós apuramos é que as pessoas fazem aleatoriamente essas denúncias, sem respaldo algum. Afirmando que algum profissional fica horas a fio no celular, ora, se não existe tempo muitas vezes nem para se alimentarem direito. Então entendemos que, essas pessoas fazem certas denúncias sem o menor conhecimento de causa, não sabem de fato o que pode estar acontecendo. Diante desses fatos, já acionamos o setor jurídico da prefeitura para as devidas providencias, garantiu Adriano”.

CAMPANHA:
Ressaltou Adriano Coutinho que a Secretaria de Saúde promoverá uma campanha de conscientização nos meios de comunicação, explicando para a população quando deve procurar os serviços do SUS de: Urgência, Emergência e Ambulatorial.


Fonte: Portal Giro

Postar um comentário

0 Comentários