[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes

NOTÍCIAS

Sespa propõe pacto com municípios para resgatar cobertura vacinal

Em reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), realizada nesta terça-feira (19), no Hotel Princesa Louçã, em Belém, o secretário de Estado de Saúde Pública, Alberto Beltrame, propôs um pacto do Executivo com os municípios para resgatar a cobertura vacinal no Pará. “Estamos muito aquém do desejado, pois apenas 24 dos 144 municípios paraenses estão com cobertura vacinal acima de 95% na rotina. 

Isso significa que 86% dos municípios estão com cobertura abaixo do mínimo”, frisou o secretário. Para ele, a busca ativa é fundamental para o alcance da população não vacinada.

A coordenadora estadual de Imunizações, Jaíra Ataíde, apresentou o panorama da cobertura vacinal no Pará. Ela frisou as principais demandas para as salas de vacinação municipais a partir de 2014, o que pode ter contribuído para as dificuldades dos municípios em manter a cobertura vacinal homogênea. Entre essas demandas, Jaíra Ataíde citou a implantação da vacina contra HPV (Papiloma Vírus Humano) para meninas e meninos e pessoas que vivem com HIV (vírus causador da Aids); ampliação da vacina contra hepatite B para todas as faixas etárias e a criação do calendário vacinal da gestante. A coordenadora lembrou que desde 2010 já havia calendários de vacinação para criança, adolescente, adulto e idoso.

Depois, ela fez um comparativo da situação das salas de vacinação. Até 2013, a campanha de imunização contra influenza abrangia 1,4 milhão de pessoas. De 2014 a 2018 houve a implantação da vacina Meningo C para adolescentes de 11 e 12 anos, para proteger uma população de 278.799 pessoas, e a campanha de vacinação contra influenza passou a abranger 1,7 milhão de habitantes.

Até 2013, era usado o Sistema de Informação e Avaliação do Programa de Imunização (SI/API), que foi substituído pelo SI/PNI (Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações), com instalação nas salas de vacinação e exigência de cadastro do vacinado. No entanto, a sala de vacinação não funciona diariamente, e a população da área não é contemplada na busca ativa. Entre outros problemas, Jaíra também citou o aumento da demanda de vacinas numa situação de bloqueio vacinal porque as pessoas dizem ter perdido o cartão de vacinação.

Desafios - Segundo a coordenadora, a extensão territorial do Pará, com mais de 1,2 milhão de quilômetros quadrados, também representa um grande desafio, pois 109 municípios (75,69%) têm a maior parte da sua população vivendo na área rural. Outro desafio é a conectividade. 

“Atualmente, existem 1.560 salas de vacina, das quais 778 (49,87%) estão online e 782 (50,12%) ainda registrando no computador, para depois enviar os dados para o sistema”, acrescentou. “Por diversos motivos, os municípios não conseguem vacinar todas as crianças menores de um ano que deveriam no mês. E são essas crianças não vacinadas que vão crescendo e se tornando os suscetíveis dos surtos como este, do sarampo”, reiterou Jaíra Ataíde.

O quadro se agrava, segundo a coordenadora, devido à situação da vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, infecções causadas pelo Haemophilus influenza B e hepatite B. Em 2014, a meta anual de determinado município era vacinar 21.368 crianças durante o ano, o que daria 1.781 crianças por mês. No entanto, naquele ano, foram vacinadas 17.912 (84,07%), ficando 3.456 crianças sem vacina.

Em 2015, desse total não vacinado, mais 994 crianças tomaram a vacina já com um ano de idade. Em 2016, mais 302 foram vacinadas; em 2017, mais 122 e, no ano seguinte, mais 91. Apesar do esforço para encontrar as crianças, na análise de dezembro de 2018 o município traz um resíduo de 1.378 crianças não devidamente protegidas contra essas doenças graves, o que representa a formação de um bolsão de suscetíveis.

Como sugestão para o resgate da cobertura vacinal no Pará, Jaíra Ataíde apresentou aos gestores de saúde as seguintes propostas, que podem compor um Plano de Enfrentamento para Resgate das Coberturas Vacinais nos Municípios: Discutir as alternativas de enfrentamento por região de Saúde e pactuar nas Comissões Intergestores Regionais (CIR); ampliar a cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) e de Agentes Comunitários de Saúde (ACS); cadastrar no SI/PNI a população atendida pela ESF; garantir à população o funcionamento e fácil acesso à sala de vacina, em tempo integral - incluindo sábados e finais de semana; integrar as secretarias de Educação e Assistência Social à vacinação de crianças e adolescentes; promover a integração das ações da ESF com a Imunização e a Vigilância Epidemiológica; fazer busca ativa das crianças faltosas e intensificar a vacinação por área e localidade; implantar e fortalecer a equipe móvel de vacinação; formar força-tarefa para digitação de fichas do vacinado; ampliar a conectividade da sala de vacinação; garantir o funcionamento do SI/PNI online; aumentar o número de bancadas, a vacinação rotineira e a orientação nas unidades nas campanhas de vacinação; aplicar o Monitoramento Rápido de Cobertura Vacinal e elaborar o Plano Anual de Trabalho (PAT) da Imunização.

Fonte: Blog Plantão 24horas News com informações de Roberta Vilanova em parceria com Agência Pará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search