[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes
O MELHOR DA TV ACABO PARA SUA DIVERSÃO
SUA SORTE LHE AGUARDA, VEM PRO ITA FELIZ!

Celpa flagrou mais de 237 mil 'gatos' de energia elétrica

A prática de tentar burlar a conta de energia elétrica no final do mês com a utilização de ligações clandestinas, o chamado “gato”, ainda é comum. Porém é crime e causa danos aos próprios consumidores do serviço. De janeiro a novembro do ano passado, a Celpa – concessionária de energia no Pará - detectou 237.587 ligações irregulares, sendo mais de 86 mil casos só na Região Metropolitana de Belém (RMB).


No ano anterior, foram 100 mil a mais. No entanto, a concessionária afirma que, se o furto fosse erradicado, a conta de energia poderia diminuir. Segundo os dados da concessionária, é comprado anualmente mais de 11TWh (Terawatt-hora) de energia elétrica para atender a toda extensão territorial do Estado. Desse total, cerca de 27% correspondem às perdas, entre elas, o furto de energia é um dos principais vilões. 

E essa prática é crime de furto previsto no artigo 155 do Código Penal, com pena de 1 a 4 anos de reclusão. No entanto, a reincidência é alta. Ricardo Maciel, gerente da área de recuperação de energia da Celpa, explica que a cada 10 irregularidades, 3 voltam a ser cometidas. A ligação clandestina gera riscos e prejuízos.

“Um dos riscos está ligado à segurança. 
Somente pessoas habilitadas pela Celpa podem acessar a rede da empresa, com os equipamentos adequados para a função. Caso contrário, pode causar morte. Outro prejuízo é a qualidade do fornecimento, que poderá queimar o equipamento elétrico da residência ou estabelecimento que estiver com ligação clandestina”, alerta Ricardo. “A prática é um crime e prejudica toda a sociedade que acaba pagando mais caro por causa da minoria. Os consumidores devem denunciar”, reforça.

ECONOMIA

Segundo a Celpa, as irregularidades também afetam a economia, pois o furto propicia a sonegação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Confins), que vêm incluídos nas contas de energia elétrica e cujos recursos arrecadados são repassados aos governos Federal e Estadual. Ricardo afirma que “a tarifa de energia no Pará é alta. Porém, é definida pelo Governo Federal. Somente 22% do valor que o consumidor paga, fica na concessionária para operar, manter, expandir, pagar funcionários e os custos da empresa”.

Os demais 78% é de compra de energia, encargos e impostos. Mas se o furto de energia fosse erradicado, ele garante que a tarifa reduziria em até 9%. Apesar disso, não é raro encontrar residências e até estabelecimentos comerciais com ligações clandestinas. Em Belém, por exemplo, a reportagem flagrou “gatos” em plena luz do dia em diversos pontos da cidade. Alguns estavam escondidos por árvores, outros, à vista de todos.

( Como denunciar )
- Em caso de suspeita de ligações clandestinas, a pessoa pode denunciar.
O anonimato é garantido Site: 08000910196
Tarifa social
- Algumas pessoas podem obter descontos na tarifa com os programas sociais, que podem reduzir em até 65% o valor da conta de energia. O benefício é voltado para famílias com renda média de até meio salário mínimo por pessoa ou que já são inscritas em outros programas sociais.

(Michelle Daniel/Diário do Pará).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search