[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes

NOTÍCIAS

SESAI promove o I encontro de saberes do povo Munduruku no DSEI Rio Tapajós

A proposta foi alcançar integração de jovens com os saberes da medicina tradicional por meio dos pajés, parteiras, puxadores e anciões.

(Foto:Crédito: DSEI Rio Tapajós)

Com a iniciativa da comunidade do Polo Base Missão Cururu (PA), a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) promoveu, por intermédio do DSEI Rio Tapajós, de 12 a 16 de agosto, o I Encontro de Saberes da Medicina Tradicional do Povo Munduruku. A metodologia do projeto foi proposta pela comunidade por meio da escuta e da vivência e práticas exitosas para a promoção do ensinamento aos mais jovens, cuja preocupação é manter a preservação do conhecimento e a prática da medicina tradicional.

Mariza Kabá Munduruku, presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi), esclareceu que a iniciativa para a realização do evento surgiu da preocupação dos anciões, pajés e parteiras com o aprendizado dos jovens. “Nosso povo, principalmente os mais velhos, que sabem de muitas curas a partir das raízes, plantas da floresta, rituais de pajelança, estão receosos com a perda de interesse dos jovens em aprender esses saberes”, enfatiza.

Experiências exitosas

O encontro, que contou com cerca de 400 participantes, foi aberto na sede da aldeia Missão São Francisco com danças, músicas e rituais dos pajés. Nos dias subsequentes, foram organizados grupos com parteiras, puxadores, benzedores e pajés – referências das dez aldeias pertencentes ao Polo Base – para o trabalho com vivências exitosas de práticas tradicionais no tratamento da malária, diarreia, gripe, gastrite, pressão arterial alta, dor na coluna e dores no corpo, cuidado com a criança e a gestante e picadas por animais peçonhentos.

O pajé Floriano Muo Munduruku enalteceu a importância do evento, devido ao pouco interesse dos jovens em aprender os saberes, o que tem enfraquecido a medicina no território. “Meu povo precisa estar mais atento, dar mais importância à medicina tradicional, pois sabemos de muitas curas, cuidados com a saúde das nossas crianças”, explicou.

Conhecimento e interação – A coordenadora distrital Cleidiane Carvalho Ribeiro dos Santos participou do encontro e disse que tem visto “comunidades indígenas adotarem iniciativas de promoção da interculturalidade”. Para ela, “isso é compreender o quanto a medicina tradicional é importante para os cuidados com a saúde dos povos indígenas no território”. Ela também destacou a importância da interação com as equipes de saúde, considerando que se deve trabalhar em conjunto os cuidados com a saúde, conciliando saberes e promovendo a prevenção e o tratamento de doenças que acometem principalmente crianças na fase do desenvolvimento picadas por animais peçonhentos. “É a promoção do respeito e da credibilidade por esses saberes por meio dos jovens, que serão os futuros preservadores desses conhecimentos”.

O DSEI Rio Tapajós atende as populações indígenas Munduruku, Munduruku-cara-preta, Kaiapó, Kayabi, Apiaká, Ava-canoeiro, Tembé, Cumaruara e Maitapu, totalizando 12.570 indivíduos distribuídos em 142 aldeamentos. Dos 11 Polos Base, nove estão localizados no município de Jacareacanga, um em Itaituba e um em Novo Progresso, sendo que todos possuem Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena (EMSI). O DSEI Rio Tapajós conta, ainda, com quatro Casas de Saúde Indígena (Casai) nos municípios de Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso e Santarém, todos no Estado do Pará.

Por Comunicação / SESAI – DSEI Rio Tapajós
Atendimento à imprensa: (61) 3315.3533

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search