[Latest News][6]

acidente
agressão
Amapa
Amapá
amazonas
apreensão
armas
arrombamento
assalto
atropelamento
Bahia
brasil
cocaína
condenados
destaque
detentos
droga
drogas
execução
grevistas
idoso
internacional
Itaituba
Kitsurfe
menores
motorista
navio
Óbidos
Polícia Federal
Polícia Militar
prefeita
prefeito
presos
recentes
reg
Regiao
região
Santarém
traficante
Traficantes

NOTÍCIAS

Polícia Civil captura associação criminosa envolvida em furtos e receptação de gado no Marajó

A Polícia Civil deflagrou, nesta quinta-feira (29), a Operação Pecus nas cidades de Cachoeira do Arari e Salvaterra, no Marajó, para desarticular uma associação criminosa envolvida em crimes de furto de gado, abate clandestino de gado, receptação e outros delitos ligados a essa prática criminosa. Foram presos, durante a operação, em cumprimento a mandados de prisão preventiva, Gabriel Sarmento do Nascimento; Lucas Assunção Salgado; Pedro Rogério Moraes Martins, de apelido Pintado; Evaldo Ferreira da Luz, conhecido por Cururu; Natailson Serra Leal, de apelido Sabazinho; Marinelson dos Santos Barbosa, conhecido como Piquet; Menudo Santos, de apelido Corta Trovão, e Adilson de Oliveira Meireles. A operação foi coordenada pela Superintendência Regional do Marajó Oriental, sediada em Soure.

Segundo o delegado Rodrigo Amorim, titular da Superintendência de Polícia Civil, durante as investigações que antecederam à operação, foi constatado que o furto de gado ocorrido na fazenda Savana, em Cachoeira do Arari, teria sido cometido por essa associação criminosa. "Além de aliciar empregados da fazenda, para facilitar o furto, o grupo criminoso conta com uma rede de abate clandestino e de receptadores, a maioria deles são açougueiros da região", detalha o delegado.
Assim, a partir das investigações, foram identificados os envolvidos com o a associação criminosa, desde os praticantes dos furtos até acusados de atuar na receptação e venda de carne resultante dos crimes. A partir das provas coletadas nas investigações, a Polícia Civil requisitou à Justiça as prisões dos acusados que tiveram as ordens de prisão deferidas pelo Poder Judiciário e, assim, a operação foi planejada e executada. Os presos estão recolhidos à disposição da Justiça. Pecus, nome da operação, significa gado em latim.

ASCOM/PC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search