Manifestantes são forçados a encerrar protestos contra poluição em usina de asfalto de Itaituba

Manifestantes afirmam que sofreram tentativa de agressão por pessoas ligadas a prefeitura que teriam forçado o fim do protesto utilizando veículos pesados para desobstruir a passagem.

Protesto iniciou por volta das 9h desta quinta-feira (4).

Um grupo de pelo menos 25 pessoas, em sua maioria do bairro da Paz, bloquearam, na manhã desta quinta-feira (4), a entrada da usina que produz o asfalto de Itaituba, localizada na altura do km 4 da rodovia transamazônica. Entre as principais reclamações estão o barulho, a fumaça e o odor.
Fumaça prejudica os moradores.

De acordo com Welington Fernandes, um dos integrantes, a manifestação é contra, principalmente, os prejuízos que a poluição vem causando à saúde dos moradores. 

A luta dos moradores não é nova, eles afirmam que há um bom tempo são contra a fábrica naquele local, porém, a situação piorou após a implantação de uma nova usina na área, feita há cerca de um ano e meio.

“Tem muitas crianças com problemas no pulmão, uma senhora operada também vem sofrendo com a situação. Uma usina que causa tanta poluição não pode ficar dentro da cidade, nós queremos que essa usina saia de dentro da cidade.” disse Welington

Os manifestantes afirmam que já buscaram um posicionamento junto a prefeitura, mas sem sucesso. Um dos representantes do grupo, Raquel, foi ao ministério público, fiscais estiveram no local e disseram que passariam a situação para o Juiz.

Represália

Os manifestantes afirmam que, por volta das 13h, foram surpreendidos por uma pessoa, a mando da prefeitura, que forçou o fim da manifestação e ordenou a utilização de veículos pesados para desobstruir a passagem, colocando em risco a integridade física dos cidadãos. Veja no vídeo:


“Veio um pessoal aqui a mando do prefeito, tentaram agredir os moradores e disseram que se a gente não saísse eles iriam tomar providências. Nós tentamos resguardar nossas vidas, tinha criança, mulheres gravidas e idosos no local, por isso, tivemos que parar o protesto.” Disse um manifestante

O Outro lado

Em  conversa com Orismar Pereira, da secretaria de Infraestrutura (SEMINFRA), ele disse que estavam com cerca de 5 caçambas, com 18 toneladas de asfalto cada, prontas para sair e fazer a distribuição na cidade, pediram a saída temporária dos manifestantes para que a grande quantidade de material não fosse perdida ao endurecer, pedido que teria sido negado.

Orismar nega que tenha havido excessos por parte dos envolvidos, que tudo aconteceu de forma pacífica.

“O prefeito trabalha para melhorar a cidade, não pretende causar danos a ninguém.” Ressaltou

Fonte: Portal Giro

Postar um comentário

0 Comentários