OS PROPRIETÁRIOS DOS BARCOS QUE FAZEM TRANSPORTE DE CARGAS E PASSAGEIROS NA LINHA ITAITUBA / SANTARÉM, ESTÃO SE SENTINDO AMEAÇADOS PELA CONCORRÊNCIA COM AS LANCHAS. DE ACORDO COM ELES, ALGUMAS SITUAÇÕES ENVOLVENDO ESSE TIPO DE EMBARCAÇÃO TORNA ESSA CONCORRÊNCIA DESLEAL.

Foram décadas e décadas cruzando o rio tapajós, transportando cargas e passeiros. os barcos que fazem a linha Itaituba Santarém, Santarém Itaituba, não é um transporte tão rápido, no entanto, por mais de cinquenta anos atendeu a demanda de passageiros.



Foi na chegada do apogeu do ouro com a chegada da rodovia transamazônica que os barcos surgiram por vários anos os barcos saiam do porto de Itaituba lotados de pessoas que viajavam com destino a Santarém e outras cidades localizadas nas margens do Rio Tapajós, que desciam rio abaixo.


Agora a realidade é outra, com a chegada das lanchas oferecendo uma viagem rápida e de melhor qualidade, a demanda de passageiros caiu praticamente 70%, e os proprietários do transporte misto se sentem ameaçados, porém, acreditam que é apenas mais uma crise que enfrentam como tantas que já aconteceram.

SEBASTIÃO LIMA PROPRIETÁRIO DE EMBARCAÇÃO

Sebastião Lima é proprietário de uma das empresas de transporte de cargas e passageiros, há 20 anos opera na linha Itaituba Santarém e vice e versa. Ele conta que existe uma competitividade, não dos barcos com as lanchas, mas sim das lanchas entre si, onde uma quer tomar o espaço da outra, portanto, não concorda com esta situação.

Das 11 empresas de transporte misto que operavam nesse trajeto, apenas cinco se manterão até hoje para atender a demanda de cargas e passageiros. De acordo com os proprietários das embarcações, vários fatores contribuíram pra que o passageiro migrasse dos barcos para as lanchas.

Fonte: http://www.plantao24horasnews.com.br/ com informações do Repórter Risonaldo Mello e imagens de Weverton Oliveira.

Postar um comentário

0 Comentários